E a tal moda brasileira? Visão acadêmica

Bem, se podemos dizer que existe moda brasileira, como dizemos que existe cinema brasileiro, literatura brasileira. Qual é a identidade? A identidade brasileira? E a tal moda brasileira? Visão acadêmica. O Brasil ainda é muito jovem, nossa moda é copiada, salvo algumas exceções, mas a nossa referencia ainda é internacional. LV, Prada, Channel são marcas centenárias.

Nossa identidade é antropofágica, misturamos tudo e reinventamos a moda no nosso cotidiano. A moda brasileira ainda é um território movediço. Nós como antropofágicos engolimos e regurgitamos conteúdos das revistas, sites internacionais, copidescamos e absorvemos o estrangeirismo das passarelas, das revistas por que nossa estima é baixa, somente para o futebol temos uma boa estima que se concretiza com o museu do futebol.

Nós não fazemos moda, mas consumimos roupa e produtos. Não existe investimento em pesquisa, na academia.

O aluno de moda não ler, ele é incentivado a ser um mero reprodutor de cópias e quando for para o mercado é isso que ele irá fazer. O processo criativo é deixado de lado.

Assim, a moda ainda é vista como frivolidade.

Como diz a canção: do Caetano Veloso: “Meia Lua Inteira sopapo / Na cara do fraco Estrangeiro gozador/Cocar de coqueiro baixo/Quando engano se enganou”, temos pensamentos de colonizados.

Por muito tempo só podíamos consumir o que vinha de fora, fecharam as fábricas locais que cresciam no País, é só lembrar a época da Carlota Joaquina.

E a tal moda brasileira? Visão acadêmica

Nunca tivemos políticas publicas para o setor, apesar de ser um setor que gera muitos empregos. Então, na moda brasileira é bonito ser jovem, rico e consumir besteiras e ao final postar o look do dia. Help!! O look do dia é ler: Machado de Assis, Clarice Lispector.; o look do dia é ir ao cinema, frequentar uma galeria de arte e ter ideias e fazer conexões, pois moda é cultura.

Enquanto a gente não lidar com os problemas de frente, nada será solucionado. Não temos formadores de opinião, mas informadores de consumo pessoas que substituem as araras e as vitrinas. A moda pode ser passageira, mas o conteúdo não é. Certa feita, li uma entrevista do Ronaldo Fraga em que ele dizia que o seu estilista favorito era Carlos Drummond de Andrade. Alguém duvida que os escritores sejam os melhores estilistas? Ao descrever as roupas dos personagens fazem com tanta precisam que o leitor vivencia a experiência participante pela sua carga simbólica que ganha força nas palavras, desta forma aguçamos nossa experiência sensorial. A língua portuguesa não existe para o mundo frenético da moda, ela ficou esquecida, ela é considerada démodé. E a tal moda brasileira? Visão acadêmica estrutura esta visão profissional.

O julgamento existe em todas as áreas, assim, como existem os léxicos do advogado, do médico, também existe para moda. Contudo, o abuso de afetações criam as caricaturas do mundo da moda. E, como vivemos na a sociedade do espetáculo como definiu o pesquisador Guy Debord. Cada qual é sua própria mídia em busca de uma maior exposição de visibilidade.

Autor: Jo Souza

Consultora de Imagem de Moda, mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Atualmente, Coordena a Pós-Graduação em Comunicação e Cultura de Moda e a Pós-Graduação em Consultoria de Imagem e Estilo do Centro Universitário Belas Artes-SP. Atua como Consultora de Imagem, pesquisadora de moda e professora da Pós-Graduação em Visagismo e Harmonização pessoal da Universidade Anhembi

Compartilhar Post

1 Comentário

  1. You’ve captured this perlfctey. Thanks for taking the time!

    Post a Reply

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>